Minhocário


Minhocário na Composteira da Companhia Ecológica

A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica, decomposição de resíduos orgânicos domésticos por ação de microrganismos, um processo natural que reduz até 80% o volume dos resíduos orgânicos, tendo como resultado o melhor composto para nutrir as plantas.
A vermicompostagem é o uso da minhoca na produção de húmus.


A compostagem através dos minhocários transformam os resíduos orgânicos = (cascas de frutas, cascas de legumes, aparas de verduras, borra de café, saquinhos de chá) em adubo, biofertilizante e pesticida natural.

Cada quilo de lixo orgânico gera 400g de gás metano nos aterros sanitários e nas composteiras essa emissão é praticamente zero, no lixão é produzido o chorume, "líquido acido” que contamina o lençol freático e os rios, além de atrair insetos, ratos que ajudam a transmitir doenças.

Na compostagem o chorume é um liquido pesticida e biofertilizante natural de alto teor de nutrientes que podem ser borrifados nas plantas, não exala cheiro e não atrai inseto.

A cada quilo de lixo orgânico colocado na compostagem conseguimos meio quilo de húmus natural e cerca de 200ml de biofertilizante e pesticida natural.

E para que o húmus e biofertilizante natural tenha uma excelente qualidade à diversidade de alimentos como frutas, verduras e legumes são os principais ingredientes, não esquecendo que sempre as folhas secas e serragens não podem faltar para oxigenar a compostagem.

A minhoca come os resíduos, e seu excremento possui ao redor de 2 milhões de bactérias por grama, enriquecendo o solo deixando disponível as plantas praticamente todo o complexo mineral (cinco vezes e meia mais nitrogênio, duas vezes mais cálcio, duas vezes e meia mais magnésio, sete vezes mais fósforo e onze vezes mais potássio que o solo ou o resíduo que se alimentou).

Vantagens:

1) As caixas são compactas e fechadas

2) Não gerar mau cheiro

3) Não atrair ratos, nem baratas

4) Não demanda os cuidados requeridos por uma composteira tradicional

5) Pode ser dimensionado conforme sua necessidade

6) Produz fertilizante, pesticida e adubo natural.

7) Diminui o volume de lixo a ser transportado.

8) Não gera gás metano, um dos causador do efeito estufa.

9) Qualquer pessoa pode cuidar, é simples sua manutenção.

Procedimento da composteira:

O processo é realizado por microrganismos presentes no solo e acelerado por minhocas, que irão alimentar-se dos resíduos e transformá-los em húmus natural.
A compostagem é um processo que não requer conhecimentos técnicos, é simples, é economicamente e ecologicamente sustentável, uma vez que implica a redução dos resíduos orgânicos a enviar para o aterro sanitário, através da sua transformação num composto biofertilizante que pode ser usado como nutriente e corretivo do solo nos jardins, hortas e quintais, bem como, em vasos e floreiras.

O que regula a ação dos microrganismos que vão decompor o material é a proporção de nitrogênio e carbono. Essa relação deve ser de dois para um. Ou seja, uma camada de nitrogênio para duas camadas de carbono.Qualquer relação diferente, o processo de compostagem será mais lento.

O que é nitrogênio?É o material úmido, o lixo orgânico.

O que é o carbono?É matéria seca, como papelão, casca de árvore, serragem, folhas secas, aparas de grama e palha de milho.

O excesso de nitrogênio, o lixo fica muito úmido, entra no estágio anaeróbico e fermenta. O carbono tem a função de arear o sistema, de criar oxigenação na compostagem.

 

Pique ou triture os alimentos antes de colocar na caixa,as minhocas irão digerir mais rápido os resíduos orgânicos e com isso você ganha na capacidade, podendo dobrar a sua quantidade de resíduos orgânicos e diminuir o tempo de compostagem.

 

PORQUE DEVEMOS COMPOSTAR

Os aterros sanitários das cidades estão com os dias contados, e a cada dia os resíduos são levados a maiores distancias e este transporte é responsável por grande emissão de gases emitida por milhares de caminhões, sem contar que os caminhões aumentam o transito nas cidades. Nos aterros os lixos misturados produzem o chorume que contamina nossos lençóis freáticos e rios. O húmus produzido é natural e o biofertilizante age também como pesticida.

 

A compostagem que utilizamos é apenas uma aceleração do processo natural, ao triturarmos ou picarmos os resíduos orgânicos, e colocarmos camadas de folhas secas ou serragem e adicionarmos uma grande quantidade de minhocas confinando tudo em caixas plásticas vedadas, o resultado é um composto rico em nutrientes.

 

 

É importante respeitar o que pode ser colocado na composteira, não respeitando a lista pode haver fermentação e aumentar a temperatura interna da composteira, por isso no fundo das caixas digestoras tem de ser deixada a mistura de terra preta, de composto de húmus e a serragem, para que em caso de fermentação e aumento de temperatura, as minhocas possam ficar nessa camada.





DESCRIÇÃO DA COMPOSTEIRA:

Caixas digestoras:
As caixas digestoras ficam posicionadas na parte superior do sistema, e vão de duas a seis caixas, as quais no fundo têm furos para que as minhocas vermelhas ou californianas possam passar de uma caixa para outra e o chorume orgânico possa escorrer para caixa coletora que fica na base da composteira. São nas caixas digestoras que os resíduos orgânicos são colocados, e ali os microrganismos e as minhocas fazem a compostagem. A caixa digestora superior possui uma tampa a qual é feito pequenos furos para ventilação, não permitindo a entrada de insetos.

 


Caixa coletora:
A caixa coletora fica na parte inferior do sistema, esta caixa não é furada no fundo, sua função é recolher a parte liquida dos resíduos que ficam nas caixas digestoras, sendo que este líquido é um biofertilizante quando diluído em água e atua como pesticida com menor diluição. Esta caixa possui uma torneirinha para retirada do biofertilizante.

 

MANUAL DE COMPOSTEIRA:

Este manual tem como objetivo auxiliar você na implantação e manutenção da compostagem com a utilização de minhocas, com esse processo esperamos que você alcance a satisfação de promover a sustentabilidade através de um processo simples e 100% natural.

 

1. Nunca deixe sua composteira exposta ao sol, além de aumentar a fermentação e temperatura interna e poderá cozinhar as minhocas.

2. Não deixe em local que possa tomar chuva, o excesso de água desequilibra e compromete toda a compostagem e o biofertilizante.

3. Comece depositando os resíduos na caixa digestora superior onde esta a tampa.

4. As caixas digestoras possuem furos no fundo que servem para as minhocas passarem de uma caixa para outra, observe sempre na coletora onde fica o liquido biofertilizante se alguma minhoca foi para essa caixa, toda semana veja o nível do líquido e sempre faça a drenagem pela torneirinha, coloque na caixa coletora uma pedra ou tijolo para que as minhocas possam sair do liquido caso caiam.

5. Ao colocar os resíduos orgânicos unidos (lixo) nas caixas digestoras comece por um dos cantos, e cubra essa camada completamente com resíduos orgânicos secos como o papelão, casca de árvore, serragem, folhas secas, aparas de grama e palha de milho. As matérias secas são responsáveis pela areação do sistema evitando a produção de gases e o mau cheiro, não permitindo a proliferação de larvas, moscas evitando atrair ratos.

6. Quando a caixa digestora superior estiver cheia de matéria orgânica, passe-a para baixo e deixe compostar, coloque a caixa debaixo acima desta para começar a receber os resíduos da mesma forma que fez na caixa digestora que ficou cheia, a cada caixa digestora que estiver cheia, repita a operação, sempre subindo a que estiver vazia até que complete todas as caixas digestoras.

7. Após 45 dias o resíduo orgânico que estava na primeira caixa digestora, já se transformou em húmus e esta pronta para ser usado em seu jardim.

8. Mexa o material das caixas digestoras a cada 2 dias para aceleram o processo, não deixe o material ficar nem muito seco, nem muito unido, procure equilibrar a quantidade entre os resíduos secos e unidos.

9. Não deposite apenas um tipo de resíduo a decomposição pode diminuir ou para dependendo do tipo de resíduo depositado.

Para coleta o húmus sem as minhocas, puxe o composto para um dos lados da caixa e coloque resíduos orgânicos neste espaço, as minhocas irão atrás destes alimentos, outra maneira é levar a caixa para luz solar, as minhocas irão para o fundo e poderá retirar o húmus, a retirada é até deixar uma camada de 5 cm, ou começar e encontrar grande quantidade de minhocas.